segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Olhar pelos olhos do outro

Boa tarde a todos amigos e seguidores,
Após um dia e meio de descanso, volto as minhas atividades, aos atendimentos e etc, e é muito bom tirar alguns momentos para refletir e colocar os planos, metas e pensamentos no lugar, pois lidar com pessoas é uma tarefa prazerosa, mas que se não houver uma boa administração do tempo, acaba sendo estressante, cada um tem uma história, cada um tem uma forma de olhar o mundo e esse é o desafio de um zelador de Orixá, enxergar pelo outro.
Se me perguntar se eu acredito em destino, a minha resposta certamente será “mais ou menos”, aliás bem pra menos, pois se o destino fosse uma certeza imutável, para que eu realizaríamos consultas com o jogo de búzios e faríamos ebós? Eu acredito sim que existem energias que acabam te direcionando, assim como a força do Orixá, dos Odús e dos Ancestrais que influenciam as nossas vidas, mas temos escolha, podemos correr atrás do prejuízo e positivar ou minimizar uma situação que nos negative ou que os nossos esforços não conseguem alcançar, tudo, claro com bom senso.
Me esforço diariamente para ajudar as pessoas a superarem seus medos e enxergar nelas o que há de melhor, com isso lido também com o lado mais negativo e profundo da alma humana e aprendi que a maioria de nós não sabe lidar com os sentimentos ruins e acabam dando tanta crença ao negativo que o lado bom fica quase imperceptível e aí que mora o problema, pois isso eu posso reafirmar com certeza, ninguém é totalmente bom nem inteiramente ruim, por essa razão que guardo o que é foi ou é positivo e esqueço o que é ruim ou que me desmotiva a continuar como zelador.
Pontos nos “is”, mágoas esquecidas e rancor controlado! Sigo minha vida, um dia após o outro, vivendo muitas histórias e principalmente tendo fé que existe um deus maior que nos colocou aos cuidados dos Orixás e eles nunca nos abandonam.
Muito axé e uma ótima semana!

Nenhum comentário:

Buscar no Orisá a força para recomeçar

Durante a vida vamos passando por momentos onde nada tem explicação, são crises que vem como tempestades que param ...