terça-feira, 23 de junho de 2015

À Yemanjá, com carinho

Em todos momentos importantes de minha vida, Yemanjá esteve presente e não teria como ser diferente, minha família, desde minha tataravó, sempre cultuou essa força com muito carinho e amor. Certo dia minha iyálorixá estava arrumando o presente anual de Yemanjá e eu sentado no chão, tirando os espinhos das rosas, perguntei:
- Mas mãe, porque temos que entregar o presente de Yemanjá, sempre no dia 02 de fevereiro, pra mim, todo dia é dia de louvar Yemanjá, acho isso sincretismo.
Ela riu e respondeu:
- Sim meu filho, mas quando uma mãe, vê todos seus filhos reunidos, festejando, em paz, sem guerra, unidos, a alegria do Orixá é sempre maior, o fundamento não está só no balaio e sim no efeito dele, sem isso, são apenas flores, fitas, perfumes…
Essa frase ficou para sempre na minha cabeça e sem preferências, mas quando vou iniciar alguém ou participar de uma função de Yemanjá, meu coração se alegra, o peso da responsabilidade fica maior, porque carrego a crença dos meus ancestrais que assim como eu, receberam várias graças dessa grande mãe e só de escrever, meus olhos enchem de lágrima, não é atoa que no Egbé L’ajò temos tantas filhas da rainha do mar, cada uma com sua personalidade, verdadeiras jóias.
Semana passada, me perguntaram se é realmente verdade que os filhos de Yemanjá são difíceis, fofoqueiros e problemáticos, enfim, vou dar a minha opinião muito sincera. Como babalorixá e também filho de santo, já convivi com os filhos de todos Orixás e posso falar com propriedade, nem uma falha de personalidade pode ser atribuída ao Orixá da pessoa, os filhos de Yemanjá tem sim uma tendência a liderança, defendem o que acreditam, são requintados e solidários. É nisso que eu acredito, pois se Olorun desistisse da humanidade pelos erros de alguns, a Terra nem existiria mais.
Por isso declaro meu amor por Yemanjá, por essa força tão grande e fascinante e repito, nenhum Orixá faz mal ou dar ao seu filho traços ou impulsos negativos, somos nós, seres humanos que possuímos dentro de nós o bem e o mal e nos cabe escolher o caminho que vamos trilhar. E lembre-se, errar faz parte da caminhada, porém temos que desenvolver a humildade de reconhecer a falha, aprender e seguir em frente, sem mágoas, sem remorsos e com muita fé.

Um comentário:

Henrique Barbosa disse...

Fico tão feliz em ler isso e peço a benção pela partilha. Sou filho de Yemonjá e muito grato por ela ser a grande razão da minha vida <3