segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Glamour no Candomblé – O que é certo ou errado?

Vejo que quando o assunto é o que se deve ou não usar de roupas e adornos em nossos rituais, as opiniões são bem divididas, há quem defenda que se deve usar muito brilho, paetês e pedrarias, já outros dizem que o Orixá é simplicidade e que precisamos seguir os “moldes africanos”. Eu sigo do principio que devemos oferecer sempre o melhor ao nosso Orixá, e quando digo melhor, não quero dizer maior ou mais escandaloso, pois acredito que como todas as religiões, devemos nos ajustar ao tempo e ao espaço em que vivemos, não foi isso que os nossos antepassados fizeram quando vieram da África? 


Entretanto, há de se ter bom senso, existe uma liturgia e costumes ancestrais, que nos guiam e que devem ser consideradas na hora de se vestir ou adornar seu Orixá, para não o colocar em ridículo e carnavalizar nossa crença, correndo o risco de descaracterizar os nossos dogmas. Mas voltando ao ponto do “moldes africanos” ou movimento de “reafricanização”, como alguns preferem chamar, fico pensando, se somos uma união de tribos africanas, qual devemos seguir ou nos basear? Se somos de nação Ketu, seria então os povos iorubas, mas sabendo que esses povo sofreu intensa influência muçulmana, não estaríamos mais uma vez reféns de outra doutrina, a exemplo da já “superado” sincretismo católico que tanto marcou o candomblé?.



É importante pensar primeiramente na situação financeira desse omo-Orixá, pois muitos deixam de comer para ostentar, comprando roupas luxuosas que não são condizentes com sua vida, concordo que deve existir um padrão a ser seguido, afinal seguimos uma doutrina, mas não podemos deixar os filhos dos Orixás serem massacrados pelo consumismo exacerbado que invade a nossa religião, pois se pano fosse sinônimo de axé, procuraríamos um dono de confecção e não um babálorixá para nos cuidarmos.


Pensem nisso e lembrem-se que a Fé está em nossas vidas para nos guiar e nos proteger.

Nenhum comentário:

Buscar no Orisá a força para recomeçar

Durante a vida vamos passando por momentos onde nada tem explicação, são crises que vem como tempestades que param ...